MARATONA SNES – Dia 36 – Farinha Pouca, meu Pirão Primeiro

Farinha tá no fim mas a maratona não está nem perto de acabar, estamos tipo na metade do caminho, então vamos logo sacar mais 10 dessa lista sem fim. Dia 36 no ar!

maratona36

[351] Hebereke’s Popoitto
Sunsoft, 1995
Puzzle

351-Hebereke

Matt: Púzou no estilo Puyo Puyo, japoneses adoram! Esse foi lançado no final da vida do SNES, junto com versões para o novato PlayStation e o zumbi Saturn, gráficos interessantes até.

 Max Carnage: Bichinhos japoneses bons tem que destruir bichinhos japoneses maus com sequencias de cores.

[352] Out to Lunch
Midscape, 1993
Plataforma

352-OuttoLunch

Max Carnage: Out to Lunch é aquele jogo casual pra pegar sem compromisso. O objetivo das fases é capturar as comidas com uma rede e aprisioná-las. Tem um número X de alimentos pra capturar por fases, onde eles ficam fugindo do chef e pra paralisar vale tudo, pular em cima, jogar farinha, pimenta e o diabo.

Matt: Max resumiu bem o que acontece aqui, hoje seria uma boa idéia para jogo de celular/tablet, e com certeza deve existir algo como esse por aí para os mobiles.

[353] Mr. Nutz
Ocean, 1994
Plataforma

353-MrNutz

Matt: Candidato a mascote? Talvez… mas o jogo é um plataforma basicão que apostou nos gráficos estupidamente detalhados para conquistar alguma coisa, e é claro o nome do “herói” que é bem “criativo”…

Max Carnage: Não se engane pelas aparências não. Esse jogo é foda. Pra caralho.

[354] Carrier Aces
Cybersoft, 1995
Simulador

354-Carrier

Max Carnage: Game que simula o tiroteio da segunda guerra mundial entre Japão e Estados Unidos. As batalhas são aéreas, onde um avião tem que detonar o outro sobrevoando o oceano e cada batalha acontece por turnos até não sobrar mais nenhum avião. O game conta com vários modos como um modo de treino, deveras inútil, pois não ensina nada.

Matt: Jogo confuso e ruim

[355] R.P.M. Racing
Silicon & Synapse, 1991
Corrida

355-RPMR

Matt: Para quem não conheceu, aqui está o pai do Rock ‘n Roll Racing. E para ficar mais legal o nome, inventaram que o RPM do título significa Radical Psycho Machine. Esse foi um dos jogos desenvolvidos com a engine “High Resolution Graphics Mode”, que dava mais detalhes aos gráficos sacrificando um pouco a paleta de cores. Se você jogar isso em um emulador, vai perceber que é um pouco estranho e acontecem alguns borrados, como na foto dos carro amarelo no gelo aí em cima.

Max Carnage: Não gosto de Rock N Roll Racing nem desse jogo. Favor não me levar a mal.

[356] Prehistorik Man
Titus, 1996
Plataforma

356-Prehistorik

Max Carnage: Aeee, agora sim heim o porra?! Prehistorik Man é continuação de uma série de jogos do DOS chamada Prehistorik que teve 2 títulos lá nas antigas. O game renasceu no SNES com uma diversão acima da média pra jogos do gênero, onde Sam tem que se lascar atrás da comida da aldeia que foi roubada. Algumas fases são bem dinâmicas e se usa bugigangas como asa-delta, canguru (brinquedo) e outras tranqueiras. Digno de estar num top 100 do console.

Matt: O jogo é bacana mesmo, e bem feitinho… só que, né…

[357] Super Mario RPG: Legend of the Seven Star
Square, 1996
RPG

357-MarioRPG

Matt: Mario é o faz tudo da Nintendo, salva princesa em troca de bolo, joga tênis, golfe e corre de kart, mas algo faltava para sua vida ser completa, um role playing da square onde Bowser é aliado e o vilão é outro. Aqui está um dos queridinhos do nosso console, um jogo belo, rpg sólido e totalmente sensacional.

Max Carnage: Porra, aí sim maluco. Primeiro RPG que joguei na vida, e não poderia ter começado melhor. Super Mario RPG foi o melhor presente de despedida que a Square poderia dar para os fãs da Nintendo.

[358] Cannondale Cup
American Softworks, 1994
Bicicleta

358-Cannondale

Max Carnage: O porra! Ta de pegadinha do Mallandro comigo? Esse aqui já foi po. Na verdade ele é o Mountain Bike Rally, postado no dia anterior da maratona, sob outro nome e com os corredores com outros nomes e etc, mas no fundo é a mesma merda.

Matt: Tipo aquele jogo que já passou por aqui, OUTRA VEZ! Santa mãe da reciclagem! Só mudaram os pilotos e colocaram o DEMÔNIO DA MONTANHA pra pedalar… vai entender essa turma.

[359] Ken Griffey Jr. Presents: Major League Baseball
Software Creation, 1994
Baseball

359-KenG

Matt: Mais um jogo licenciado da liga americana de baseball, com um detalhe importante, o jogo é licenciado pela Major League mas não é licenciado para liga dos jogadores, ou seja, os estádios e times são reais, mas os jogadores não, exceto pelo carinha sorridente da capa.

Max Carnage: Esses jogos de Baseball até que são legais. Me sinto brincando de jogar a bola prum cachorrinho.

[360] The Pagemaster
Probe Entertainment, 1994
Plataforma

360-Pagemaster

Max Carnage: Baseado naquele filme com o Macaulay Culkin que eu já vi mas nem lembro, você sai pelas fases pulando nos inimigos e catando itens. Claro que não dá pra esperar muito de game baseado em filme, mas esse podia ficar melhorzinho se os movimentos do boneco não fossem tão rápido e se outros fatores na jogabilidade ajudassem mais.

Matt: Esse eu lembro de ter alugado na época depois de ver o filme, mas, como sempre, o jogo é uma porcaria, já o filme é bem assistível, pelo mesnos para 1993.

Video, vídeo, vídeo!!

Anúncios

2 comentários

  1. Prehistorik Man é um clássico de locadora pra mim.

    Sobre o Mr. Nutz, só vim a conhecer por emulador, e gostei bastante. Não entendo porque acabou ficando meio obscuro.

    Agora o Super Mario RPG… Sem comentários. Um dos melhores jogos do Super Nintendo.

  2. Out to Lunch: parece interessante, vou ver se jogo depois

    Mr. Nutz: Gostei mais da resenha que vocês fizeram da outra vez… à parte disso, o Mr. Nutz (ou “Mr. Putz”) parece ser apenas mais um plataforma genérico, sem muita inovação, mas com bons gráficos.

    Carrier Aces: Complicado sim, mas desafiador (principalmente no modo Vs.), que rendeu uns bons duelos entre eu e meu irmão, que sempre me detopnava com os japoneses.

    Prehistorik Man: Difícil do jeito que eu gosto… pena que a capa não parece muito com o game.

    Super Mario RPG: Um dos melhores do Snes, sem sombra de dúvida. Uma pena que foi lançado já perto do fim da vida do console, mostrou o verdadeiro potencial do Snes, e deixou na dúvida o que mais poderia ter sido feito.

    The Pagemaster: Sempre ficava na dúvida entre alugar esse ou algum outro… e o outro sempre ganhava. E isso pq eu podia alugar tanto pra Snes quanto pra Mega.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s