Ney Charles Challenge: Dia 3 – Blaster Master

Olá pessoal, antes de partir para o Desafio, vou brevemente me apresentar: Sou Eu Mesmo (vou usar minha identidade secreta aqui pois sou muito famoso… sqn), mais novo “contratado” da OldGamesFTW. Comecei minha carreira gamer junto com a 2ª geração com meu bom em velho Odyssey 2 da Phillips, e venho desde então acompanhando o mercado jogando praticamente todas as gerações.

Nesta 3ª geração, meu console não foi o Nintendinho, mas sim o Master System. Mas ainda assim tive grande contato com o sistema na casa de amigos e nossos queridos clones nacionais: Top Game, Turbo Game, Phantom System e Dynavision.

Geralmente quando recorremos a emuladores, é apenas pra matar a saudade, em geral não nos prestamos a experimentar jogos desconhecidos, pois é um ato em geral muito mais nostálgico do que desbravador.

Não conhecia Blaster Master, nenhum dos meus amigos, aqueles onde eu ajudava a demolir os controles ( Track & Field estou pensando em você )  e filava o pão com mortadela e café preto da tarde, enfim, nenhum comprou o jogo na época, então pra mim a foi uma grata surpresa, um jogão mesmo, fora de série.

Let’s Play!!!

Blaster Master (1988)
Ação/Aventura
Publicado e Desenvolvido pela SunSoft
Resultado: Detonado
Nível de apelação:
  ( * explicação no final )

Diferente de muitos jogos da época que eram portados do Arcade, Blaster Master nasceu no NES, e devido ao sucesso, foi exportado para muitos outros consoles, tendo sido lançadas mais 5 versões diferentes além da original:  Blaster Master Boy (Gameboy), Blaster Master 2 (Mega Drive), Blaster Master: Enemy Below (Gameboy Color),  Blaster Master: Blasting Again (Playstation) e Blaster Master: Overdrive (WiiWare).

Blaster Master - todas as versõesBlaster Master – todas as versões

Em 88, quando chegou chegou ao mercado, houve um burburim na comunidade porque o jogo utilizava um sistema de evolução de armas, que havia sido implementado no então recém lançado Megaman, que saiu poucos meses antes de Blaster Master. Mas 5 minutos de jogatina já te fazem perceber que se tratam de jogos com propostas bem diferentes, e a comparação polêmica não era fundamentada.

Blaster Master - todas as versõesBlaster Master  e Megaman – qualquer semelhança é mera implicância

Só pra variar, o jogo teve uma história diferente no oriente, e chegou ao ocidente traduzido mais uma vez por alguém que era adepto a um cigarrinho do capeta. A história original japonesa diz que Kane Gardner é um piloto de um tanque de guerra “Metal Attacker”, que pousa no planeta Sophia o 3º para liderar um ataque contra o invasor, o imperador Goez. Já a história americana, diz que Jason Frudnick é um adolescente que vai em uma caverna subterrânea após perseguir seu sapo de estimação, Fred, que se tornou gigante após uma exposição à radiação. Lá então ele descobre um tanque de guerra com o nome SOPHIA, instintivamente ou influenciado por uma entidade do além, ele sobe em cima do tanque e sai atirando em tudo o que se mexe.

Blaster Master - todas as versõesEfeitos da Cannabis Sativa ?

Coisa rara na época, o jogo tinha 3 de jogabilidades distintas. Tanque, “de a pé” e interior de cavernas. A jogabilidade do tanque é clássica de plataforma, a pé serve apenas para atingir áreas onde o tanque não chega, como passagens apertadas, nadar e entrar nas cavernas. Alguns inimigos rastejantes, quando na mesma plataforma, não são atingidos pelo canhão do tanque, então vez ou outra você é obrigado a desmontar só pra matá-los. Fora do tanque você é muito mais fraco e vulnerável, morrendo com poucos tiros ou ao cair de uma pequena altura. Por fim, ao adentrar em uma caverna, o jogo assume uma jogabilidade com visão superior, parecida com Zelda, mas caindo mais para um estilo Bindings of Isaac.

Blaster Master - todas as versõesVariações da Jogabilidade

As 8 fases do jogo possuem designs bem variados, e a cada nova melhoria no tanque, um leque de possibilidades abre, renovando a cada nível a experiência do jogo, a variedade de inimigos é considerável, enfim, em nenhum momento enjoei do jogo ou me senti desestimulado a continuar.

O jogo não te prende a uma linearidade forçada, então as vezes é necessário revisitar fases antigas ( que são interligadas ), que graças ao sistema de evolução, passam a ser acessíveis com as melhorias conquistadas. Mas não se preocupe, você não precisará “rejogar” as fases, apenas atravessar algumas partes até atingir as novas áreas, seja destruindo blocos através de um tiro novo mais potente, uma propulsão nova para alcançar um lugar mais alto, ou andar pelas paredes para chegar em locais antes inimagináveis, coisas do tipo.

O Gráfico do jogo é um pouco acima da média, nada muito revolucionário, mas aceitável até visto a diversidade conquistada com apenas 2 “meguinhas” na ROM do cartucho.  Níveis com água, lava, espinhos, etc. Estranhamente o jogo apresentou alguns slowdowns, coisa raríssima para a época. Pode ser culpa do emulador, mas não creio.

Blaster Master - todas as versõesGráficos e Diversidade

Blaster Master foi considerado um dos jogos mais difíceis do nintendinho, sendo colocado por algumas análises no mesmo pote de Battletoads e Ninja Gaiden. Não achei… mas é que com Save/Load State tudo fica mais fácil (ou menos brochante). Talvez eu tente uma segunda rodada sem “assistências” . Levei cerca de 5h de jogatina parcelada em umas 10x sem juros no cartão.

Pra não perder muito tempo explorando e vasculhando os locais secretos para avançar na campanha, tive que, meio a contragosto, vez ou outra recorrer a alguns video-detonados.  Não fosse isso, teria levado mais umas 3h no mínimo, só de exploração.

Bom, encerro aqui então minha primeira participação no OldGamesFTW, abaixo um video da gameplay de cada fase e chefes, e também a explicação de um desafio que lanço aos colegas, para incentivá-los detonar os jogos com o mínimo ou nenhum auxílio da era “Emulador / Google / Youtube”.

Abraço por trás e até a próxima.

Gameplay – Fases e Chefes

DESAFIO: MENOS APELAÇÃO!!!
A ideia é: quanto mais próxima da experiência obtida no console, melhor.
Para isso vamos criar um nível de apelação baseado em estrelas. Sendo 1 estrela o equivalente a nenhuma apelação e cinco estrelas o equivalente a apelação máxima.
Cada apelação custa determinado valor em estrelas, algumas pesam mais, outras pesam menos, e devem ser somadas sempre, nunca substituídas. Se a soma for igual a 5 estrelas, ou 8, ou 10 estrelas por exemplo, ainda assim o nível será sempre considerado 5 estrelas ( apelação máxima ). Vamos estipular aqui então, o peso das apelações:

 – Utilizar auxílio externo, como detonados, mapas, videos, e afins.
 – Utilizar hack de botões, como turbo ou cominações de 2 botões e/ou direcionais.
 – Utilizar Load/Save State apenas ao receber game over.
 – Utilizar Load/Save State para voltar ao início da fase apenas ao perder uma vida.
 – Utiliza Load/Save no meio da fase criando vários checkpoints.
 – Utilizar seguidos Save State em meio a batalhas contra chefes ou para transpor passagens complicadas.
 – Utilizar Cheat Codes, nativos ou não, algo como vidas infinitas, invencibilidade, entre outros.

2 comentários

  1. Não conhecia o jogo mas só de olhar o gráfico já parecer ser muito divertido gostei me recordo das noite de sábado viciado em Mario World,Alladin,Sonic entre outros saudades da queles velhos tempos ao qual a unica preocupação era se a defesa direita do controle estava funcionando kkk no meu caso que era super viciado em NINTENDO Show !!!

  2. Eramos felizes com jogos que não tem como comparar com o nível de desenvolvimento de hoje, como me lembro das horas que ficava em frente ao CCE, e depois ao Master Sistem.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s